Irreverência que muda de lado

07/04/2011

O Humor. O Bom Humor. Humor Inteligente, articulado, com bons textos e artistas são caricaturas de uma época e de um contexto vivido. Humor de cotidiano. Humor de fina ironia. Humor de Sofisticação.

Contraditoriamente á uma renovação maçiça de artistas nessa seara, e que curiosamente se unem a estelares referências para profissionalizarem e prestigiarem o próprio ramo de atuação por meio de eventos temáticos e utlização de diversas mídias para divulgação, vemos uma lágrima triste escorrendo do rosto dos palhaços e clowns por aí, nestes últimos dias.

Como se não bastasse, o recém empossado deputado Francisco Everaldo “Tiririca”, largar o personagem e vestir outro. O do burocrata. Agora quis agradecer a seus asseclas e recrutou Ivan de Oliveira e Zé Américo, personas integrantes do grupo Café com Bobagem, tão seleto no rádio e tv, para enveredarem na política

Zé e Ivan criaram as frases e sacadas que alçaram Tiririca ao top de votação.E como ele não sabe como desbravar Brasília e seus percalços, resolveu ser assessorado pela dupla.

O meu questionamento não está sequer, no cabide empregatício ou na gratidão do novo astro de Brasília. Mas no que, a aceitação do convite pode representar, para toda uma significação do que é o Humor Brasileiro.

Se Zé e Ivam toparem, eles podem até conciliar as duas profissões. Mas é aquilo.  O Humor justamente é uma crítica, oposição natural de um público perante as mazelas e a insignificância a que a Elite submete as massas.

Se você aceita um cargo quase que de autoridade, não condiz, com a postura irreverente e do mau exemplo. Do deboche e do sarcasmo. E mais ainda: é como se você chancelasse, rubricasse a condição do outro lado.

Sem contar o desmonte de mais um grupo de vanguarda das Artes brasileiras.

Sei lá, tá certo que emprego público desde sempre nos garante estabilidade, e bom padrão de vida. Mas por princípios e por ética, eu sinceramente não toparia. Até pela credibilidade dos palhaços conseguida até agora.

Senão, de que valerá  O Pasquim ? A Mad ? O Planeta Diário ? Los 3 amigos? O Panico? O CQC ? A TV Pirata ? O Chiclete com banana (a revista) ? A passeata do Humor contra a Censura ?

Zé e Ivan, boa sorte nas decisões. E escolham o que escolherem, que assumam o rojão, por completo. Com tudo.

Anúncios

Obra X Persona

29/01/2011

Sabe esse camarada aí de cima ?!

Eu sei. Eu sei. Alguns vão dizer. É um cara arrogante, prepotente. Se acha.

Gosto musical é como qualquer opinião pessoal na vida. Discute-se e não, ao mesmo tempo.

Eu também não o acho lá um exemplo de ser humano. Nem de pessoa pública.Mas inegável sua veia de hitmaker e de songwriter. Putz ! É o rei do Pop, já diria Rogérinho Flausino e tantos outros.

Aprendi desde cedo, que podendo ser fachada, mídia, jogada  fake ou bad trip, não importa. Devemos saber separar a obra do seu construtor.

Não fosse assim, nunca poderia admirar os geniosos e geniais Romário, Ronaldo, Senna, Piquet, Magic Jhonson, Isaiah Thomas, Herbet Vianna, Lobão, e tantos outros. Renato Russo e Cazuza inclusos.

Claro que a obra reflete momento e pensamento do craque. Mas não necessariamente o todo.  Excessos e busca artística por experiências emocionais-sensoriais nem sempre saudáveis fazem parte da vida do artista.

E ajudam a comteplar a visão de mundo de outro modo e transcrevê-la para seu sutil formato. Tênue entre o bem e o mal.

Portanto galera, vamos dar mais atenção ao legado e menos ao pessoal !


Aos De Fé

11/12/2010

Para falar a verdade, esse é um tema delicado. Não somos iguais uns aos outros. E nem podemos nutrir expectativas uns dos outros. Mas acontece. É intrínseco. A gente cai e levanta. A gente acredita, confia, investe e se decepciona.

Mas quase nunca tenta se imaginar no lugar do outro. Por medo da reação. Pela postura cansativa e/ou repetitiva do outro. Seja porque todos nós, temos uma escala de prioridades e valores.

Então , fica difícil muitas vezes mostrar solidariedade e proximidade, num mundo tão veloz e imediato. Ás vezes soa até como abandono ou deserção..eheheheh. Ledo engano.

Sendo assim, o meu GRATO ! GRATO ! GRATO ! Escoteiro, áqueles que ao menos, telefonaram, escreveram, e lembraram quando e como puderam.

Á queles que me estenderam a mão sem pedir nada em troca. Áqueles que de alguma forma ou de outra torcem por mim. Desejam e pensam coisas boas. Sem passar a mão na cabeça

Ao Alê – pelo apoio cativo de sempre e outrora. Brou !

Clayton e Kelly – Eu queria que vocês não sofressem, e hoje vocês chegaram longe. Que bom que me enganei !

Pessoal do Linkedin – Obrigado pelas recomendações e trocas de vagas.

Galerinha que passou pelo Orkut. Amigos de infância e adolescência. Como é bom revê-los e ver que seguiram bem…

Chefe Carlos Vergara e Chefe Vicky – Obrigado por reaparecem em minha vida. Lembranças mais que doces e saudáveis do G.E. São José.

Ricardo e Raphael – Gracias por segurarem a barra, quando tudo parece meio inerte.

Familia – Todos nós temos nossas células e problemas. E ainda assim, eu agradeço por sempre telefonarem e estarem de alguma forma, em minha formação.

Equipe HP – Obrigado pela acolhida e treinamento. Juli, Grazy, Jones, Luiz e Clayton. E Simone, que foi quem deu o aval.

Césinha  – Histórias de fins de semana guardados na alma, mente e coração.

Wellington. Pela parceria de alguns carnavais.

Fernando Rhein – Pela boa música, bons papos, e espelho de credibilidade.

Putz. Tanta gente !!! Muita gente !!! N gentes…

Obrigadão de alguma forma. Dita. Pensada. E que sintam-se parte desta data e da jornada até este 10/12.

Ainda mais num último falso ano bom. Ao menos para mim.

Thanks !


Posteridade

19/11/2010

Nós, reles mortais, humanos demasiado humanos que somos, queremos a todo custo, deixar uma marca, escrever algo nos anais da história, perpetuar um legado. Sermos reverenciados. Sermos relevantes.

Por isso tamanha identificação com personas que bateram números, que fizeram parte ou que construíram obra expressiva. Que quebraram dogmas e convenções de vida. Exemplos de como fazer a diferença.

Nos sentimos, ao assistirmos a um show; presenciarmos um evento grandioso. visitar um marco, quase que como iguais a esses símbolos. Sublimes. Tão próximos do sucesso. Tão acima das regras. Tão elevados e inspirados espiritualmente por essas jornadas.

É como se pudessemos, estar em contato, ser aceito, ou verificar com seus próprios olhos, ali, bem de pertinho, a superação, os recordes, os livros de história. É como fazer parte desta história exitante, nem que seja como expectador.

É como nos realizarmos no outro. Admirar. Lembrar. Homenagear. Reverenciar. Guardar. Registrar.

Um bravo as Lendas que nos fazem viver !


#OBRIGADONÃO

12/11/2010

No meu entender, só existem 2 formas de a política brasileira, deixar de ser o que é. Uma mudança quase impossível eu sei, mas…

O Primeiro método é explodir e começar tudo de novo, do zero. Tamanho o sistema ser viciado e coruptível.

O Segundo método é o voto como um direito civil, não como obrigação. Tal qual para jovens de 16 e 65 anos. Só assim e só desta forma, os candidatos levariam suas campanhas a sério. Sem baixo nível, sem debates e discursos enfadonhos. E teria de demonstrar, sem decorar falar, o seu conhecimento de causa no seu plano de governo ou projeto futuro.

Não haveria tantos personagens folclóricos na peleja eleitoral. Nem candidatos radicais como o macaco Tião, ou o Silvio Santos, ou o Tiririca. O elegível teria de ter um histórico ilibado como sua ficha, e com uma história ao menos consistente na vida pública.

Se não fossemos obrigados a votar, durante as propagandas eleitorais no rádio, na tv ou nos santinhos, os governáveis teriam de nos convencer com argumento, fundamento e precisão. E também com carisma natural, de que ele é sim , o diferencial pra nos fazer perder um domingo, por minutinhos que sejam, e ir até a urna.

Pois, senão, qual a razão de votarmos, sem crermos em algo ou em alguém, não é mesmo ?

Durante o seu espaço eleitoral nas mídias, mesmo nos debates, usaria uma lousinha atrás de seu púlpito, para mostrar com suas próprias mãos, seu entendimento sobre as suas promessas, arquitetadas junto a sua equipe de marketing.

Os textos impresos nos folhetos, e as tergiversações, como a atual presidente eleita bem colocou, seriam bem menos frequentes e mais objetivos.

E aí sim quem sabe, com essa fauna pluripartidária, o Brasil passaria a discutir idéias, propostas e quem sabe até sair da mesmica situação X oposição.

É por isso que eu sou #OBRIGADONAO


Rolê com a mão no bolso…furado

28/10/2010

Para tempo de vacas magras, é assim que eu aproveito uma cidade como a minha.

Shows – Melhor do que qualquer 70,80 ou mais reais gastos em casa de shows, e com risco de atraso de início. Eu vou ás Redes SESC e a Rede SESI. São excelentes instalações e teatros. Você assiste ao mesmo show que pagaria 8 vezes mais, ás vezes por até 10,00. Mas, pegue seu bilhete com antecedência. Normalmente os pré-lançamentos acontecem aqui. Bom para quartas á noite na Paulista ou aos Domingos á tarde em Itaquera ou Interlagos. Vem aí  o Belenzinho. Ah ! sem esquecer ds shoppings de domingo de manhã. Chegue muito cedo, leve máquina, pois os artistas fazem o soundcheck antes do show. E cante junto !

Parque aquático – Não tá podendo ir até Vinhedo né não ? Então entre como visitante no SESC. Um dia que seja. Piscinas abertas o ano todo. Exame médico incluído no ingresso módico de 12,00. E qualidade que o SESC cansa de atestar. Chegue cedo. No verão tem até fila de veículos pra entrar. Bom pro sabadão ou dia ponte. Domingo, só se você tiver a fim de disputar m2 com mais umas 10 pessoas.

Teatros – Se você tiver a carteirinha de descontos das Associações de Teatro, tanto melhor. Agora SP tem reformulado diversos teatros de bairro, que estão voltando a vida. E também tem as apresentações a céu aberto. Em parques. Na praça Patriarca. E nos CEUS. Aproveite porque o cardápio é imenso.

Cinemas – Aquelas promoções já manjadas do Cinema Nacional (sazonal) , quartas-feiras mais baratas, e segundas com preço único. Além de não passar aquele caos de filas nos finsdes nos shoppings.. você faz um bem pro seu bolso. Não sei ainda, s existe mas o Belas Artes promove o noitão, 3 filmes pelo preço de um: 2ª sexta feira de cada mês. Aprendi com uma pessoa por aí.

Festas de Rua – Putz ! Não tem como não ir. E não é da festa junina da sua rua, bairro ou da escola que você estudou que eu tô falando. São as sensacionais festas de Rua de Sampa. Praça da Liberdade é obrigatório. Broklintoberfest  também.  E o triunvirato: San Vitto, San Gennaro, e Nossa Signora Achiropita. Música folclórica. Ótima comida. Badalação.

Parques públicos/Áreas verdes – Dá pra escolher. Tem quem goste de parques mais rústicos, mais distantes e mais bem equipados. Do Ibirapuera ao Capivari-Monos, a escolhe é sortida. Tem até cachoeira em Sampa sabia ? Eu também nao sabia, até ir conferir a Cantareira. Eu amo ! Vai lá.

Museus – Pinacoteca, Lingua Portuguesa, Masp, Casa Brasileira, Arte Sacra, e da Imigração. Pra não citar todos. Se você der sorte ainda assiste  uma apresentação musical ou participa de festa temática em um deses. Recomendo.

Exposições/ Feiras – do Turismo, se cadastrado com antecedencia. Festival do Japão, e muitos outros. Exposições amplas. Baratas. E que enchem os olhos.

Multiculturais – Viradinha da Livraria Cultura e os viradões Culturais e Esportivo. Tem que ir. Lotado. Pra todos. Mas nota 10 !

Viajar – Se tiver hospedagem, ótimo. Já nao tem este gasto. Agora senão tiver… Tem duas opções: camping e hostels- ou os albergues da juventude. Aprovo esses dois. A vida ao ar livre requer agasalho a noite. Mas é delicia. Já os hostels. são super limpinhos, lúdicos e muitissimo bem cuidados. Não perde pra nenhum pequeno hotel ou pousada. E se tiver a carteirinha anual, ainda ganha descontos e beneficios.

Caminhada á toa – Paulista é um charme. Mas a Oscar Freire é luxo super ! A são caetano é pra imaginar. A santa ifigencia pra sonhar. A 25 de março pra gastar..ehehehehe…A 13 de maio, pra ouvir. A Augusta, pra ver e ser visto. E tantas outras por aí. A praça do por do sol. A praça victor civita. A silvio romero…rsrsrsrs


Resultado pelo Resultado ???

07/10/2010

E não adianta falar que não é um Segundo Rubinho, pô ! E olha que eu até entendo que somos funcionários de alguém que nos paga muito bem para respeitar hierarquia e executar bem feito nossas funções…

O Problema, por hipócrita que possa parecer, é  situação recorrente em todas as nossas ações, dia a dia afora. O jeitinho brasileiro. A lei de Gérson. Levar vantagem em tudo.

Está cada dia mais visível, e sobretudo nos esportes de alto rendimento, onde realmente há investimentos e um showbusiness paralelo, que movimenta e atrai poder e holofotes.

A Ferrari, que não é de hoje. Recentemente os filhos de um tal narrador televisivo. E até a imbatível seleção de vôlei. Entre as malas pretas e brancas do futebol. Um bônus de premiação para os atletas vencedores.

Pessoas públicas mostrando escancaradamente que a o resultado pelo resultado é o que interessa…joga no ventilador a figura pessoal e egocentrica de cada ser humano e deus mortal, é que desmistifica  o ídolo e a superação da conquista, por exemplo.

A ética fica de lado, o respeito e a excelência. Se para isso puder se atingir o 1º lugar. Vencer. Ser o melhor. E reitera que, assim como um presidente popstar falou ” todo mundo faz isso “.  Vide as nossas casas políticas que não deixam mentir.

A arte imita a vida, no sentido da sobrevivência. Acaba sendo um Vale tudo que não vale nada.  E perdemos a fé, o espelho num escapismo que podia trazer alento e motivação.